Reúso de água - Uma alternativa inteligente

A escassez de água é uma das preocupações mundiais na atualidade devido à baixa disponibilidade na forma potável. A figura abaixo mostra a distribuição de água pelo planeta podendo-se observar o pequeno percentual de água disponível na forma potável.

Na sociedade atual, reconhecidamente consumista, o gasto hídrico tem sido questionado em nível residencial, comercial e industrial. Uma das alternativas para minimizar o consumo é o reúso de água, seja ele direto ou indireto em que pode-se utilizar métodos de tratameto da água residuária.


Além de ser ambientalmente correto, o reúso é interessante economicamente sendo possível de ser realizado com equipamentos bem simples e por pessoas não capacitadas na área.



Em termos industriais, o reúso apresenta também uma excelente alternativa econômica pois além de exijir um menor tratamento do resíduo, o gasto hídrico torna-se também menor reduzindo assim, o custo do processo produtivo.


Para fins de reúso, as águas podem ser classificadas em categorias segundo duas propriedades físico-químicas conforme figura abaixo.




Quando há necessidade de realizar algum tratamento para que a água residuária se enquadre em alguma classe, deve-se observar procedimentos simples que na maioria das vezes resolvem o problema como por exemplo a utilização de filtros para redução da turbidez ou ainda realização de cloração na água fazendo com que o nível de coliformes decaia até os níveis aceitáveis. O controle do pH também pode ser realizado de mandira simples adicionando-se reagentes de baixo custo. Muias dessas substâncias são encontradas facilmente em lojas especializadas de piscina.


A seguir são apresentados exemplos de projetos para reúso de água em residências e indústrias podendo-se observar que em grande parte deles, não há nehum tratamento para que a água residuária possa ser utilizada no fim proposto.


1) Reúso direto da água da chuva e águas residenciais


Apresenta-se uma excelente alternativa para locais que possuam coberturas com área elevada onde a água é captada por calhas e conduzida a depósitos de água pluvial. Uma das dificuldades é a implantação desse sistema em residências já construídas pois o custo de instalação do depósito é relativamente elevado. Para imóveis novos no entanto, é interessante avaliar desde o início, a possibilidade de instalação desse sistema de captação o qual deve ser muito bem estudado por profissionais da área para que o reservatório fique bem dimensionado. Outro ponto importante é avaliar o tempo de permanência da água no reservatório pois dependendo do volume armazenado e do tempo, pode ocorrer a proliferação de algas que afetam os parâmetros de qualidade da água.

O cálculo da quatidade a ser captada pode ser realizado multiplicando-se o índice de precipitação pela área do telhado aplicando-se um coeficiente de captação conhecido como "coeficiente de Runoff".


V = P x A x C


onde:


V - volume armazenado

P - Precipitação mensal

A - Área do telhado

C - Coeficiente de Runoff


O Coeficiente de Runoff, pode valer em média de 0,6 a 1 e equivale ao percentual de água aproveitado pelo telhado. Por exemplo, o valor de 0,7 representa 70% de captação de água.



Exemplo de aplicação:


Um galpão que possui área de 1000 m2 de telhado metálico poderá acumular mensalmente em uma região com precipitaçaõ média mensal de 30 mm cerca de:


V = 1000 m2 x 0,03 m x 0,7 = 21 m3


Nessa situação poderá ser captada cerca de 21m3 de água pluvial por mês o que representa uma quantidade relativamente grande. Com essa quantidade pode-se por exemplo fazer aproximadamente 115 descargas de vasos sanitários.


Importante ressaltar que sempre que possível, devemos evitar o uso de sistema de bombeamento da água de reúso pois o gasto energético pode ser elevado além do fato de, no Brasil, a energia elétrica estar diretametne relacionada com o consumo de água. A figura abaixo apresenta um esquema realizado em uma residência na cidade de Lavras/MG, onde conseguiu-se um bom aproveitamento tanto da água da chuva, quanto de água residuária de banheiro e lago artificial. Nessa situação, as águas foram utilizadas por gravidade, para lavagem de áreas externas, canil e irrigação para paisagismo.







2) Reúso da água do banho


A reutilização da água do banho não é uma tarefa simples pois via de regra, essa possui elevadas quantidades de tensoativos,alta turbidez e muitas vezes presença de coliformes. Uma possibilidade para esse tipo de água é seu reúso direto em descargas de vasos sanitários os quais não exigem uma água com parâmetros de qualidade elevados. Dentre as formas de utilização dessa água para descarga, tem-se diversas maneiras de coleta desde uma simples bacia até a utilização de placas comerciais como mostra a imagem abaixo.




As placas coletam a água residuária do banho e separadamente podem ser utlilizadas em descargas de vasos sanitários até alguas horas após a coleta. Evidentemente que o custo desses materiais ainda são elevados para que a população possa fazer uso imediato dessa tecnologia.


Mesmo sem realizar a coleta da água do banho, uma alternativa interessante é armazenar a primeira água nas residências com aquecimento solar. Até a água sair na temperatura desejada, vários litros são desperdiçados sendo que poderia ser armazenados com um simples balde de plástico.



3) Reúso de água de piscina


Durante o tratamento de piscinas, uma etapa comumente realizada é a floculação e consequente decantação das partículas em suspensão. Tal processo é feito mediante adição de sulfato de alumínio em pH alcalino específico. O operador então realiza a drenagem da água juntamente com as partículas em suspensão que normalmente são lançadas na rede de esgoto. Tem-se aí dois problemas, ou seja, aumenta-se o volume de esgoto o que inevitavelmente eleva o custo do seu tratamento e ainda perde-se uma água residuária que poderia ser tratada e reutilizada. Em um experimento realizado na cidade de Lavras/MG, o autor coletou essa água em recipientes de 100 L e após 24 horas obteve-se uma água límpida e apropriada para ser reutilizada.

As imagens abaixo mostram cerca de 300L de água que foram drenadas e após decantação dos sólidos observa-se uma água com turbidez reduzida a qual foi utilizada para lavagem de área externa.




Mesmo não havendo possibilidade de armazenamento dessa água proveniente da drenagem de piscinas, pode-se utilizá-la diretamente por exemplo para lavagem de canil ou ainda para irrigação paisagística. Nessa situação deve-se no entanto consultar um especialista para verificar se o teor elevado de íons alumínio presentes não interferem no metabolismo das plantas.