O Filme "Homem Aranha 2" e a química

Todos que assistiram o filme Homem Aranha 2 lembram da história no filme a qual abordou de uma forma de ficção científica, o processo conhecido como FUSÃO NUCLEAR. Esse processo consiste na combinação de dois núcleos atômicos para formar um único núcleo, mais pesado.

Um exemplo importante de reações de fusão é o processo de produção de energia no sol, e das bombas termonucleares (bomba de hidrogênio). Em futuros reatores de fusão nuclear a reação entre dois diferentes isótopos de hidrogênio produzindo hélio deverá ser utilizada para produção abundante de energia.


A reação da fusão dos isótopos de hidrogênio pode ser representada pela imagem abaixo.


A reação de FUSÃO NUCLEAR libera uma quantidade de energia mais de um milhão de vezes maior que a que temos em uma típica reação química, como a queima de gás de cozinha. Esta enorme quantidade de energia é liberada nas reações de fusão porque quando dois núcleos leves se fundem, a massa do núcleo produzido é menor que a soma das massas dos núcleos iniciais. Embora a fusão seja um processo energeticamente favorável (exotérmico) para núcleos leves, ele não ocorre naturalmente aqui na Terra, devido as dificuldades naturais para se aproximar os reagentes (devido a repulsão eletrostática entre os dois núcleos) para que as forças nucleares possam atuar.

Reações de fusão estão acontecendo por bilhões de anos no universo. De fato, as reações de fusão são responsáveis pela produção de energia na maioria das estrelas, incluindo o nosso sol. Cientistas na Terra foram capaz de produzir reações de fusão nuclear somente nos últimos 60 anos. Fusão entre núcleos mais pesados são produzidas, em pequenas quantidades, corriqueiramente em aceleradores de partículas. Podemos dizer que a fusão nuclear é a base de nossas vidas, uma vez que a energia solar, produzida por esse processo é indispensável para a manutenção da vida na Terra.


Importante ressaltar aos estudantes que a fusão nuclear se difere da FISSÃO NUCLEAR, processo no qual um núcleo maior se fragmenta pela ação de nêutrons e que é responsável pela geração de energia nas USINAS NUCLEARES além de explicar o poder bélico das bombas nucleares clássicas.


No endereço abaixo você pode encontrar uma interessante reportagem sobre as diferenças das bombas nucleares já usadas na 2a Guerra Mundial e as temidas bombas de hidrogênio, baseadas na FUSÃO NUCLEAR de isótopos de hidrogênio.


http://g1.globo.com